Jora Blog

Quais são os desafios da liderança digital?

Karina Papa | Apr 9, 2018

Na era digital, todos deverão se comprometer com a informação, independente da área de atuação e descrição do cargo, onde o mais importante é estar ciente dos objetivos corporativos e das mudanças rápidas que envolvem o cenário local, nacional e global.

Cotidianamente recebemos informações sobre os desafios da era digital, como essas mudanças afetarão o mundo do trabalho e dos negócios. Frente a esse novo cenário é de suma importância refletir também sobre o papel dos líderes nas organizações, pois diante das mudanças digitais eles terão que aprimorar suas competências digitais e aderirem a ferramentas de gestão mais flexíveis, participativas e colaborativas.

Embora esteja num processo de constante renovação, as organizações ainda se dividem em áreas, também conhecidas como silos, ou seja: finanças, tecnologia, logística, recursos humanos, jurídico, marketing, etc. Na era digital, todos deverão se comprometer com a informação, independente da área de atuação e descrição do cargo, onde o mais importante é estar ciente dos objetivos corporativos e das mudanças rápidas que envolvem o cenário local, nacional e global.

Em nível organizacional dentro de um mercado específico, o líder digital identifica seus ativos digitais para ganhar e manter uma vantagem competitiva. Ou seja, eles estão dispostos a explorar como a tecnologia da informação pode ser utilizada trazendo mais recursos, feedback em tempo real, ajudando as organizações a captarem as necessidades do cliente, criando um sistema mais flexível e orgânico para o modelo de negócios. Líderes digitais bem-sucedidos compreendem a importância e assumem a responsabilidade pelos imputs internos e externos que a empresa gera nos vários ecossistemas em que participa. Isso possibilita ainda reconhecer parceiros e maximizar as competências da rede desses parceiros.

As organizações que valorizam a liderança e a cultura digital, incentivam competências como comunicação, criatividade e a curiosidade de explorar novos caminhos. Na medida em que a tecnologia assumirá cada vez mais a parte de geração de dados, os líderes serão liberados para promoverem ações colaborativas entre as pessoas, oportunizando maior sinergia entre as áreas, organização e otimização nos fluxos de trabalho. Sem contar nos desafios de lidar com as equipes multigeracionais, onde convergem no mesmo espaço de trabalho profissionais da geração X, Y e os millenials, cujo perfil desse último são de jovens altamente digitalizados e que desejam fazer um plano de carreira mais ágil e rápido.

De acordo com o Relatório Future of Work Centenary (2015), da Organização Internacional do Trabalho (OIT), as mudanças tecnológicas trazem em seu âmago processos dinâmicos que envolvem tanto a destruição do trabalho como a criação de novos postos. Em se tratando de liderança, não acredito que os líderes deixarão de existir, todavia, eles deverão estar antenados e em condições de rever continuamente seu mindset, reconhecendo os novos paradigmas da sociedade impulsionados pela tecnologia e cultura disruptiva. O líder digital precisa entender de mudanças constantes, avaliar riscos e construir uma nova forma de trabalhar.

Assim, perde cada vez mais força as estratégias de gestão de comando e controle, pois na economia compartilhada as empresas precisam de maior agilidade nas tomadas de decisões, onde estruturas engessadas podem representar a perda de oportunidades, uma vez que o mercado digital é muito ágil. O líder digital atua como um grande maestro, formando pessoas, observando como o movimento interno e externo das organizações, aproveitando as potencialidades e diferenças entre os seus colaboradores, promovendo a gestão da transformação. E mais do que gerar dados, os líderes digitais devem gerar informações que auxiliem as organizações a tomarem decisões continuamente.

Karina Papa

Karina Papa

Karina Papa é Consultora de Carreira, Coach Especialista em alta performance e elevação de resultados.