Jora Blog

Os seus hábitos impulsionam ou impedem seu crescimento profissional?

Ivani Montagner | Jun 4, 2017

Você pode trabalhar na mudança de um hábito instituindo um novo hábito que atenda aos seus propósitos.

Hábitos são comportamentos, pensamentos e sentimentos que repetimos regularmente, sem que precisemos pensar sobre eles. No decorrer da vida vamos criando formas de fazer coisas, formas de pensar, maneiras de agir que repetimos diversas vezes e se estabelecem como nossos padrões mentais e comportamentais.

Os hábitos nos servem na medida em que não precisamos elaborar uma sequência de ações cada vez que vamos realizar atividades cotidianas, como escovar os dentes, pentear o cabelo, dirigir um carro, etc. A função do hábito é a eficiência do cérebro na economia de energia e a rapidez e precisão nas respostas. Sem os hábitos nós não agiríamos em tempo hábil em milhares de situações.

Hábitos bons e hábitos maus para o nosso desenvolvimento são formados da mesma maneira. Por opção, necessidade de aplacar medos e sofrimentos ou porque fazia parte do nosso ambiente desde que nascemos, passamos a agir de determinada maneira e fomos repetindo diversas vezes até que o hábito se formou.

Quando nossos hábitos não atendem mais aos nossos propósitos, comprometem nosso futuro e nos impedem de sermos bem-sucedidos é o momento de trabalhar para mudá-los.

A falta de proatividade, procrastinação, culpar os outros, crenças negativas sobre a própria capacidade, rancores, ressentimentos, entre outros, são hábitos negativos que nos impedem de realizar todo o nosso potencial.

triste, pensamento negativo

Se você tem o hábito de pensar de forma negativa, sua resposta imediata quando surge um problema será pensar negativamente. O hábito do pensamento positivo, por exemplo, automaticamente nos faz enxergar soluções e oportunidades de aprendizado.

O cérebro tem dois sistemas mentais semi-independentes, denominados ascendente e descendente, de acordo com a ciência cognitiva. >#####“É como se houvesse duas mentes trabalhando”

(GOLEMAN, Daniel)

A atividade mental ascendente, no circuito subcortical, é mais veloz, involuntária, intuitiva, opera através de redes de associações. É o sistema impulsivo, movido pelas emoções. É onde se encontra uma enorme rede de referências, de modelos mentais. É executora de nossas rotinas habituais. Esta parte do cérebro é acionada quando a ação necessária é familiar, quando já foi aprendida e praticada repetidas vezes.

A atividade mental descendente, no neocórtex, é mais lenta, voluntária, esforçada. É a sede do autocontrole, avalia, faz análises ponderadas. É acionada quando vamos aprender coisas, fazer planos, quando usamos nossa força de vontade, quando fazemos uma escolha intencional, quando fazemos a leitura de um livro.

Quando estamos na fase de aprendizado de um determinado assunto, seja escovar os dentes, dirigir um carro, aprendendo a escrever ou a usar um recurso tecnológico complexo, estamos utilizando o circuito descendente. Quando estas ações que inicialmente eram desconhecidas se tornam hábitos, migram para a área ascendente.

“Os sistemas ascendentes e descendentes distribuem tarefas mentais entre eles para que consigamos fazer o mínimo de esforço e obtenhamos ótimos resultados. Conforme a familiaridade torna uma rotina mais fácil, ela passa de descendente a ascendente. Da forma como vivemos essa transferência neural, cada vez precisamos prestar menos atenção – e, afinal, nenhuma atenção -, até que ela se torna automática”

Daniel Goleman

Dessa forma podemos nos preocupar em gastar esse esforço para outras atividades como criar, inventar, construir máquinas complexas. O desafio do esportista campeão está em cumprir uma rotina de treinos técnicos, alimentação e cuidados com a saúde diariamente, preparando-se para uma performance extraordinária. No grande dia da competição o seu adversário terá feito o mesmo. Então, se ele fez a lição de casa, poderá confiar em seu circuito ascendente e corresponderá à altura aos desafios do jogo, liberando sua atenção e energia às outras variáveis que exigirá de si respostas novas e eficientes para vencer a competição.

Se temos hábitos que limitam a nossa performance, que são obstáculos para o crescimento, para atingir metas, para alcançar o que determinamos, nosso foco de atenção e energia irão girar em torno destas questões, restringindo nossa atuação.

Chegar atrasado no trabalho, em reuniões, consultar redes sociais com frequência durante o expediente, entregar tarefas fora do prazo determinado, agir impulsivamente movido pelas emoções do momento, ou pensar negativamente, podem minar sua produtividade e mesmo que você tenha um excelente potencial poderão interferir na sua entrega, impedindo-o de ter aqueles resultados esperados e assim alcançar seus objetivos.

Felizmente, os hábitos não são permanentes.

Você pode trabalhar na mudança de um hábito instituindo um novo hábito que atenda aos seus propósitos. Para te auxiliar a identificar os hábitos negativos em sua vida e substituí-los por comportamentos mais positivos, questione-se e anote:

Para alterar hábitos negativos e instalar hábitos positivos é preciso um pouco de prática e disciplina! Faça um acordo consigo mesmo para iniciar essa mudança. Identifique as situações que te permitem praticar o novo hábito. Anote.

Pratique repetidas vezes até que o novo comportamento se torne um hábito.

Este artigo foi útil para você? Comente abaixo! Terei o maior prazer em trocar ideias com você. Compartilhe com seus amigos!

*Daniel Goleman – FOCO, A ATENÇÃO E SEU PAPEL FUNDAMENTAL PARA O SUCESSO, - pág 34, 34.

Ivani Montagner

Ivani Montagner

Ivani é Coach Executiva e membro da Sociedade Brasileira de Coaching.